terça-feira, 28 de setembro de 2010

O Mundo de Libellule

Não cheguei à conclusão se o mundo de Libellule é bonito. É diferente.
Onde se olha se vê artes, estátuas, monumentos, e obras onde expressam totalmente a felicidade do artista. Se ouve vozes melosas entoando lindas melodias, seres observando e escrevendo.
Não é um mundo cheio, poucos seres povoam .Seres lindos,cada um com algo marcante, sejam seus olhos, sua boca, seu corpo, sua cor, seu cheiro. Cada ser é diferente e belo a seu modo.
Vê- se os seres apressados,não de uma maneira ruim, eles estão apressados, porém felizes.
É um mundo bem simples, todos têm onde morar, mas ninguém está preocupado com coisas materiais, ninguém se preocupa se sua moradia é melhor do que a do outro, ninguém se preocupa em ter um meio de transporte extravagante, ninguém se preocupa com essas coisas supérfluas.
E eles tem motivo para isso, eles não se preocupam com bens materiais, porque todos tem algo mais precioso para se preocupar, eles se preocupam em buscar sua felicidade.
No mundo de Libellule as pessoas nascem em casulos, ficam neles até atingirem a fase adulta,onde sua metamorfose está completa, quando saem de seus casulos todos tem exatamente trinta dias para viver, para buscar algo qual a faça feliz. É uma corrida contra o tempo.
Muitos seres encontram sua felicidade na arte, na musica, na escrita, no conhecimento.
Mas a maioria encontra um motivo para ser feliz em outro ser, encontra a felicidade em um  amor, em um companheiro. Trinta dias com alguém que se ama é uma eternidade.
Libellule completou sua metamorfose, ela começara sua corrida em busca de algo que a faça feliz.
Libellule ouve uma voz suave e incomparável, uma voz que arrepia até a alma, Libellule se sente feliz com aquilo e vai atrás de voz tão magnífica, encontra alguém produzindo aqueles sons maravilhosos e vê que esse ser está feliz com isso. Libellule tenta encontrar a felicidade na música, fica alguns dias tentando se comparar ao ser que conseguia  ser tão maravilhoso. Libellule percebe que ainda sente um vazio dentro de si. A música conseguiu dar paz a ela, mas não trouxe a felicidade plena que ela procura.
Libellule decide ir atrás de outra coisa, anda alguns dias e vê pessoas moldando, esculpindo, transformando nada em arte, Libellule se maravilha com aquilo e acha que encontrou a felicidade. Começa a pintar, desenhar, esculpir, modelar, construir, inventar.
Passou dias e Libellule ainda sente o vazio. Libellule está em conflito consigo mesma, pois ela não encontrará a felicidade, não encontrará o motivo por sua vida, não encontrará algo que consiga dizer que sua vida valeu à pena.
Sentindo algo que não imaginava, Libellule estava triste, começou a colocar em folhas tudo o que estava sentindo, começou a escrever, inventou poemas e descreveu seus conhecimentos adquiridos em seus dias.
Libellule andando por seu mundo começou a observar os casulos, começou a ver os seres saindo de seu ninho em busca da felicidade. Libellule no momento que olhou um ser que havia completado sua metamorfose soube o que era felicidade, atração, paixão. Foi amor a primeira vista. E era recíproco.
Libellule tinha apenas mais um dia de vida.
Libellule aproveitou esse dia, mostrou a musica, mostrou a arte, mostrou os poemas. Mas agora ela não estava sozinha, ela reviu tudo isso acompanhada, agora ela estava completa.
Libellule aproveitou cada instante da sua vida.
Libellule voltou para seu casulo e foi embora sorrindo.
.
.
.
.
.
.
.


Meu primeiro texto que o final é feliz! hahaha \o/
Esse texto foi inspirado por um documentário de biologia que eu vi, era sobre a vida da Libélula (Aquele inseto também conhecido com Helicoptero), e  quem já viu ou estudou sobre tal assunto sabe como a Libélula sofre quando chega a fase adulta e sai debaixo d'água. Em um dia ela precisa achar um procriador , precisa enfrentar aranhas, sapos e um monte de obstáculos para conseguir achar o local perfeito para deixar seus ovinhos.E depois disso ela consegue ter sua vida .
Enfim, queria mostrar que é preciso aproveitar cada instante da sua vida, achar algo que você goste e se dedicar a isso.Cem anos é pouco para se viver.
Também queria agradecer a quem lê meus textos, é uma honra de verdade ver pessoas que eu nem imaginava que lia vindo comentar sobre. Fico muito feliz.
E desculpa por sempre estar desatualizado. O tempo é meu maior vilão.
Enfim. Obrigada :)

sábado, 28 de agosto de 2010

O mundo de Lince

O mundo de Lince é maravilhoso, as pessoas são agradáveis e felizes,estão sempre de bem com a vida e acompanhadas por amigos e pessoas que a fazem bem.
Todas elas têm uma aparência incomun, o tom de suas peles são de um laranja intenso , seus cabelos de um vermelho fumegante , seus olhos azuis iguais águas cristalinas.
Todas pessoas tem caracteristicas próprias , elas apesar de serem semelhantes são diferentes.
Mas lá ninguém sabia disso, pois ninguém tem visão.
Todos só se conhecem pela voz , pelo cheiro,  pela áurea. As pessoas encontram seu amor não por aparência .Mas pelos pensamentos em comum,pelas conversas, pelo toque, pelo aroma, pelo arrepiar da pele, pela felicidade transmitida, por todas essas sensações que o toma.
Eles realmente amam seus  companheiros, porque eles  o entendem um ao outro.
Lince nasceu diferente, ela nasceu enxergando,era um milagre e um dom divino em seu mundo, todos a trataram como uma rainha, era algo jamais imaginado.
Lince foi crescendo, e as pessoas em seu mundo deram o pleno poder para ela decidir o que era melhor.
Lince desprezava  quem não tinha boa aparência,com isso as outras pessoas também  desprezavam quem Lince julgava.
Lince só era amiga de pessoas bonitas, com os bens  materiais melhores, ela não se importava em conhecer o interior das pessoas.
Lince cresceu e se tornou a dona da verdade, se tornou a dona de seu mundo.
Lince escolheu o rapaz mais bonito para se casar,sua pele era perfeita, laranja intenso e tão vivo que dava vontade de acariciar o dia inteiro, seus cabelos vermelhos brilhantes e sedosos, e seus olhos, ah seus olhos,que olhos eram aqueles que podia se enxergar até a alma. Olhos divinos.
Mas lince só conhecia seu exterior, Lince nunca conversou com ele, e  ela não se importava com isso, ele agradando a visivelmente era o que importava.
Esse homem era estonteante, sua beleza era incomparavel, mas seu interior era oco. Mesmo assim continuaram juntos.
Lince teve seus filhos, seus filhos também nasceram enxergando, os filhos dos filhos de lince também nasceram com visão,e toda a geração de Lince nasceu vendo.
Depois de séculos, seu mundo inteiro enxerga.
Não há mais pessoas que amam somente pelo interior, agora as pessoas julgam todas a sua volta, agora as pessoas são materialistas, egoístas e individualistas.
A aparência é que dá status para as pessoas.
Esse mundo não se parece nada com qual já foi um dia .
Lince foi uma pequena mancha que sujou todo o resto.
.
.
.
.
.
Obrigada a quem sempre pergunta sobre os meus textos, fico muito feliz de verdade.
Está difícil postar, quase não tenho mais tempo, e quando tenho só o que quero fazer é dormir hehe
Esse  conto foi inspirado por alguém que me contou uma história muito triste, e eu fiquei pensando como as pessoas são superficiais.
Enfim, espero que gostem.


domingo, 1 de agosto de 2010

O mundo de Abbie


Que mundo é esse?
Como é lindo. Quanta tecnologia, quanto avanço em todas as áreas, quantas pessoas felizes e sempre acompanhadas.
No mundo de Abbie todos sempre estão acompanhados. Acompanhados por seus  Personal Robots. Robôs de aparência humana , com personalidade escolhida por seu dono, eles fazem de tudo. São praticamente humanos. Humanos sem sentimentos.
Aonde se olha se vê personal robots acompanhando seus donos. Madames usando como auxiliares de compras, empresários usando como assistentes, comerciantes usando como vendedores, crianças usando como babás,ou simplesmente pessoas usando como companhia. Ninguém se sente sozinho.
Abbie e seu marido tambem adquiriram uma personal robot, ela é tão incrivelmente linda e real. Eles escolheram a personalidade perfeita para ela.
A Personal Robot de Abbie faz tudo para eles , ela é uma dona de casa perfeita, uma profissional exemplar e uma amiga maravilhosa.
Um simples passeio no parque fica mais legal  com a personal robot. Ela é quem leva uma toalha decorada e faz uma incrível mesa de piquenique .
Meu Deus, eles são tão perfeitos.
Mas para Abbie essa tecnologia já está passando dos limites .
Ninguém mais sai em grupos, ninguém mais é sociável , ninguém mais tem amigos. Na verdade ninguém mais precisa de amigos, os robôs são seus melhores amigos.
O marido de Abbie também está mudando drasticamente, antes ele era um parceiro carinhoso e extremamente atencioso, ele amava Abbie do jeito que ela era, mas desde que eles compraram sua Personal Robot, ele está se transformando, ele começou a ver os defeitos de Abbie, ele quer que ela seja perfeita que nem sua Robô pessoal.
Ela já não tem mais atenção dele, ele vem se esquecendo constantemente dela.
Abbie já não sabe mais o que fazer .
Todos os dias seu marido a esperava sorrindo na porta de sua casa quando ela chegava do trabalho. Quando compraram a Personal Robot ele esperava sua mulher  na companhia do Robô. Passando o tempo ele deixava a porta aberta , mas esperava ela dentro de casa.
Abbie está sendo esquecida.
Hoje quando chegou do trabalho a porta não estava aberta,estava trancada, seu marido se esqueceu que ela chegaria, ele já nem sente falta.
Na verdade Abbie já foi esquecida!
Seu marido já não precisa mais dela, ele já construiu a companhia perfeita.
Mas o que o marido de Abbie não sabe mas vai descobrir é que tudo que é perfeito demais enjoa, porque o ser humano só é perfeito por ter seus defeitos.
.
.
.
.
.
.
Quem conhece o Anime 'Chobits' irá perceber que tirei a inspiração de lá. :D
.
.
.
Queria agradecer ao meu adorado amigo Guilherme , o Gui, que sempre elogia os meus contos e me dá forças para ter vontade de continuar escrevendo.
Sei que são pouquíssimos os meus leitores que realmente gostam, mas queria agradecer a todos que sempre me apoiam e ficam pedindo para eu postar. Obrigada :D

segunda-feira, 5 de julho de 2010

O Mundo de Akauã


Como o mundo de Akauã é evoluído. Quantas construções que desafiam as leis da gravidade, quantos automóveis voadores espetaculares, quanta tecnologia inimáginavel.
Mas o que mais se vê são as pessoas andando sem ao menos olharem para o lado.
No mundo de Akauã os seres nascem sem coração.
O coração lá não é um órgão vital que bombeia sangue, é um órgão que guarda todos sentimentos bons. No coração há o amor, a amizade, a compaixão, alegria , bondade, humildade, piedade, saudade. Enfim, todos sentimentos necessários para ser feliz.
Nascer com coração no mundo de Akauã é uma anomalia, lá só se nasce com sentimentos ruins.
Em seu mundo ninguém pensa no próximo, não há amor, todos pensam somente na evolução, vivem uma vida sem alegria , pisando nos outros para alcançarem o que querem.
No mundo de Akauã a única coisa importante é o trabalho, eles vivem suas vidas apenas para ganharem dinheiro e investir. A atração por um companheiro não existe , eles apenas se unem a alguém para procriar e passar seu gene para próxima geração.
Com Akauã aconteceu algo inesperado, Akauã nasceu com coração.
Desde pequeno sempre foi uma criança diferente, ele queria fazer amigos, ele queria ajudar, ele queria brincar, mas sempre era rejeitado e humilhado pelas outras crianças. Crianças sem sentimentos.
Akauã foi crescendo e nunca recebeu amor, nunca teve um amigo, nunca teve ajuda de ninguém. Ele não entendia , ele era tão bom com todos, ele sempre estava presente quando alguém precisava. Mas ninguém notava, para os outros ele era apenas um anormal louco.
Akauã nem trabalhar conseguia, ele não conseguia ver as pessoas se tratarem como objetos e ficar quieto sem achar aquilo um absurdo.
Akauã queria tanto que todos fossem iguais a ele, que todos se amassem e fossem alegres, que o respeito e a bondade ao próximo existisse.
Mas ele percebeu que isso não aconteceria , percebeu que seria sempre sozinho.
E com o amor veio o sentimento de rejeição, ele cansou de se sentir rejeitado, humilhado, pisado.
Ser feliz em seu mundo estava o deixando infeliz.
Em um ato impensado de desespero Akauã enfia uma adaga em seu próprio coração.
Akauã não morre, mas tambem não irá mais rir, amar, ajudar.
Akauã agora faz parte da sociedade sem sentimento.
Akauã só é mais um no sistema.
.
.
.
.
.
Perdoe pelos erros ortográficos, não sou a melhor escritora, tento apenas passar para o papel aquilo que penso. Se alguém notar os erros e poder me ajudar e editar ficarei muito grata :D

domingo, 13 de junho de 2010

O mundo de Shad


Como o mundo de Shad é diferente.
Quando se olha o mundo de Shad até dói as vistas. Quantas cores, quantas formas,quanto brilho. Quanta poluição visual.
Isso se dá devido as pessoas, elas escolheram ser incomuns.
No mundo de Shad se nasce completamente branco, a partir dos anos os seres de lá vão se modificando , se esculpindo, se pintando, escolhendo as cores e as formas. Lá todos são artistas , suas obras primas são seus corpos.
É incrível como um quer ser mais chamativo e extravagante que o outro, quando se acha que já se viu de tudo, sempre chega alguém com algo a mais.
Shad um simples garoto que não consegue ser tão legal e descolado aparentemente como os outros, procura seu lugar no mundo.
Shad sempre gostou de ser normal, de ter seu estilo reservado e minimalista, de ter personalidade forte sem precisar chamar atenção. Ele não entende como as pessoas se modificam tanto só para serem invejadas.
Andando pelas ruas se vê tantas pessoas diferentes,mas para ele é incrível como todas parecem iguais . Todas são tão chamativas ,todas são tão coloridas,todas tentam ser o centro das atenções, todas buscam um único objetivo. Ser notada!
Shad analisando todas essas pessoas diferentes porem iguais chega a uma conclusão, "Hoje em dia é tão normal ser diferente, que agora o diferente é ser normal."
Shad sente orgulho de ser quem é.
.
.
.
Para fazer esse texto me inspirei na frase que um amigo me disse "Hoje em dia é tão normal ser diferente, que agora o diferente é ser normal.". Essa frase caiu como luva para mim, e me fez pensar realmente em muitas coisas hoje na sociedade. Enfim, espero que isso também tenha algum sentido para vocês. :D

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O mundo de Brinley





Brinley, uma jovem garota que se sente infeliz, vive em um mundo medieval, todos trabalhos feitos manualmente, nenhuma tecnologia existente.
Um lugar onde você é da classe alta ou um simples nada tentando sobreviver.
A democracia não existe, quem comanda é o Rei, e seu poder passará de geração a geração.
Brinley se sente tão infeliz, pois seu pai um simples alfaiate e sua mãe uma dona de casa cuidando de oito filhos não podem proporcionar as maravilhas que a majestosa filha do Rei tem.
Eles tentam de todo jeito agradar a filha dando todo amor e carinho,e tentando nunca deixar nada faltar em casa.
Mas Brinley não se satisfaz com isso, ela sonha todo dia com as roupas mais extravagantes e coloridas da Princesa, com aquelas jóias que brilham mais que as estrelas, com os sapatos que parecem nuvens de tão macios.
Brinley não se conforma como a vida é injusta, era ela que devia participar daquelas festas glamurosas no reino, era ela que devia comer aquele banquete de comidas que ela desconhece o nome, era ela que devia dar um show de dança ao som da orquestra.
ERA ELA!
Amaldiçoava a Princesa por nunca parecer estar feliz com o que tem.
Mas Brinley precisa parar de sonhar tanto e voltar a realidade.
O som extrondante de corneta é ouvido pelo povoado, neste momento todos sabem que precisam se reunir no castelo, pois o Rei anunciará algo muito importante.
Brinley se reúne ao resto do povo. Brinley não entende porque todos estão chorando, e porque o Rei está com a afeição mais triste possível.
O Rei tira um pergaminho de aparência molhada, molhada por lágrimas, e lê para todos ali reunidos:

" Pai eu te amo. Mas cansei da minha vida, cansei de ser uma escrava dos costumes impostos, cansei de ficar presa, de ser alguém que não sou, cansei de não poder me divertir e ser igual a todos, cansei de não poder me vestir como quero e de ter que demonstrar felicidade sempre, mesmo quando estou infeliz, cansei de dar ordens a pessoas que são iguais ou melhores que eu.
Cansei de tantas coisas.
Agradeço a todo esforço , a todo dinheiro, a todas jóias e roupas. Mas nada disso comprou minha felicidade, não comprou todo o tempo que perdemos para ser feliz, o tempo que você me deixou de lado para aumentar sua fortuna e poder.
Agora poderei ser livre, ser e fazer o que quero.
Cansei dessa prisão de dinheiro.."

Brinley sente o abraço forte de seus pais, Brinley agora entende que isso nunca valerá toda riqueza do mundo. Brinley agora da valor a tudo o que tem.
Brinley agora é realmente feliz.
.
.
.
.
.
Obrigada meu querido Carlos pela ajuda

segunda-feira, 31 de maio de 2010

O mundo de Pan



Como o mundo de Pan é agradável.
Os seres de lá são tão felizes, mas ninguém é mais feliz que Pan.
Seu mundo é somente florestas,animais,flores de raros aromas, cachoeiras e rios de águas puras e cristalina.
Pan se diverte tanto brincando com a fauna e flora de seu mundo, comendo os mais variados tipos de frutas extremamente suculentas.
Lá todos interagem, não tem brigas, há somente o amor a tudo.
Mesmo com sua pouca idade , Pan tem muitos amigos, os animais nativos de seu mundo, as pessoas que são incrivelmente legais.
Pan não tem medo de nada, pois lá não existe animais perigosos ,desde do hikoi que é o menor ser vivo do seu mundo, até o Kuroi que é o maior, são amigáveis e carinhosos com todos.
Pan nem se imagina em outro mundo.
Ele tem certeza que isso é a perfeição.
Pan só não sabe que existe a evolução, infelizmente no outro lado do seu mundo já começou a devastação.
.
.
.
.
.
.
*Obrigada pela ajuda Alex *-*